Plano de Aula – Fábulas

4

30 de setembro de 2006 por jussaradourado

                                                             ROTEIRO DE PLANO DE AULA 14/06/2006

 I – IDENTIFICAÇÃO

 Colégio Estadual Georgina Soares Nascimento         

Série: 5ª Ensino Fundamental       Dia da Semana: Quarta-feira      Turno: Matutino

Professora: Jussara Assunção Dourado

Disciplina: Língua Portuguesa                          

 TEMA: Construindo Fábulas

 INTRODUÇÃO: Dinâmica do presente – Texto: “Ninguém vive só”

 III – OBJETIVO 

o        Proporcionar aos alunos, condições de conhecerem e valorizarem os clássicos da literatura infantil e seus criadores;

o        Introduzir através das fábulas, conceito de valores morais, ética e cidadania;

o        Refletir com os alunos os valores que são transmitidos através das fábulas.

 IV – CONTEÚDOS  

o        Slides de Fábulas;

o        Leitura;

o        Debate.

 V – ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS  

o        Apresentação de slides de fábulas de Esopo;

o        Proporcionar espaço para os alunos expressarem as suas opiniões e comentários;

o        Conversar sobre o que é uma fábula;

o        Disponibilizar para os alunos diversas fábulas.

 VI- RECURSOS

o        Cartolina, CD, TV, slides, figuras, cola, livro.

 VII – A VALIAÇÃO

o        Durante a preparação e a realização da atividade é possível avaliar o nível de leitura e compreensão dos textos em que cada aluno está.

o        As revisões individuais também possibilitam interferências significativas na busca de um texto que atenda às exigências do tema e da situação de leitura a que ele se submete.

 VIII – REFERÊNCIAS

            ASH, Russel; HIGTON, Bernard; Fábulas de Esopo.  Companhia de Letrinhas –  Infanto juvenil.

 O PRESENTE

Aqui há um presente que deve ser dado a pessoa mais ELEGANTE do grupo. Mas como a elegância de… não permite que carregue pacotes, mesmo sendo um presente… deve entrega-lo para a pessoa mais SIMPÁTICA. Como …. irradia muita simpatia, não vai poder ficar com esse presente na mão, passe­-o para a pessoa mais ALEGRE. Mas como… é alegre demais e está sempre de bem com a vida, não vai querer segurar o presente, posse-o então. Para a pessoa mais BRINCALHONA. Mas como… brinca constantemente e gosta de pegar no pé. e para pegar no pé precisa das mãos, logo não pode abrir o presente, ofereça-o a pessoa mais BRIGUENTA. Como…. gosta de reclamar de tudo, para que não brigue conosco por Ter lhe dado o presente, posse-o correndo para a pessoa mais. ENVERGONHADA. Por ser envergonhada e com isso ficou vermelha de vergonha, deverá dar o presente a pessoa mais BELA. Por ser a mais bela, e por esse motivo tem muitos admiradores, não terá tempo para desembrulhar nem mesma o papel do presente, então passe-o para a pessoa mais ESTUDIOSA . Mas como…possa muito tempo estudando e não se interesso pelo nosso presente, repasse-o para a pessoa mais COLABORADORA. Como… possa o tempo ajudando, não tem tempo de pensar em si, não se importará de passar o presente para a pessoa mais MAGRA. Como … é muito magrinha e não tem forças suficiente nem para carregar uma caixa, passará o presente para a pessoa mais CONVERSADEIRA. Como… é muito tagarela, sempre falando de novelas e de toda programação da TV, das fofocas mais quentes, deverá passar o presente para pessoa mais RISONHA. Como … passa O tempo todo rindo e não consegue dizer uma só palavra na entrega do presente, cabe a ela passar.o mais depressa possível a pessoa mais GORDINHA. Mas como … é muito gordinha e não tem como se levantar e vir aqui dará o presente a pessoa mais SENSÍVEL. Como … é muito sensível e chora por tudo, não vai conseguir desembrulhar o presente. por isso passará para a pessoa mas ESTROVERTIDA. Mas como .. passa muita energia positiva, não cabe a ficar com esse presente, passará para pessoa mais POÉTICA Só que… está sempre voltada para suas poesias, nÃo vai querer entrar nessa de segurar presente, passará para pessoa mais SONOLENTA.  . como… ­dorme o tempo todo, esse presente poderá demorar muito em suas mãos, por esse motivo terá que passá-lo para a pessoa mais INQUIETA. Como… é muito inquieta. pula daqui, pula dali, não vai querer saber de presente, deverá passar para a pessoa mais CRIATIVA ComO… está sempre inovando, principalmente seu guarda- roupa, não vai se Incomodar de passar o presente para a pessoa mais GULOSA. Como… come muito e ao mesmo tempo não é egoísta e está sempre oferecendo seu lanche aos colegas. Você foi escolhida para receber dois presentes: O primeiro você vai passar para a pessoa mais IMPORTANTE que encontrar entre nós. O segundo você vai abrir, mas terá que dividi-lo com TODOS OK?

                      

 NINGUÉM VIVE SÓ

Ninguém vive só… Mesmo as estrelas do céu caem juntas.

Mesmo as águas do oceano se espraiam em conjunto. Mesmo as lágrimas rolam duas a duas, não raro acompanhadas de um sorriso.

Ninguém vive só… Mesmo as folhas pequeninas dos arbustos dormem juntas. E os pássaros cortam os ares em revoadas.

Ninguém vive só… Mesmo as pedras procuram o caminho, porque o caminho não é deserto, mas transitado pelos homens.

Mesmo as flores procuram o jardim, porque os jardins são visitados.

Mesmo o perfume procura as flores, porque a flor perfumada exerce atração.

Ninguém vive só… E nessa grande harmonia de conjuntos, nessa constante busca do: "outro", neste irresistível poema de sociabilidade, nós nos situamos como gente

Ninguém vive só… Situar-se como gente é abandonar a idéia do eu, a atitude do egoísmo, para aderir ao NÓS.

Eu, você, todos nós: abertos, confiantes, construtivos, comunitários, SOCIAIS.

                                                                                                                              (Schneider, Roque)

   ROTEIRO DE PLANO DE AULA 21/06/2006

I – IDENTIFICAÇÃO

Colégio Estadual Georgina Soares Nascimento         

Série: 5ª Ensino Fundamental       Dia da Semana: Quarta-feira      Turno: Matutino

Professora: Jussara Assunção Dourado

Disciplina: Língua Portuguesa                          

TEMA: Fábulas

I. INTRODUÇÃO: Dinâmica – “Mãos que falam”

II – OBJETIVO 

o        Favorecer o desenvolvimento criativo dos alunos, através de diferentes expressões, tais como: desenhos, produções de textos e dramatizações;

o        Estimular a troca de experiências;

o        Desenvolver o gosto pela descoberta de valores através das fábulas.

 V – CONTEÚDOS  

o        Leitura de Fábula;

o        Modelagem;

o        Confecção de cartazes.

 VI – ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS

o        Dividir a turma em grupo;

o        Leitura e entendimento de fábula;

o        Criar novas fábulas com questões do dia a dia e ilustrá-las;

o        Montar cartazes com as fábulas;

o        Caracterizar os personagens das fábulas utilizando-se de massa de modelar.

VII- RECURSOS

o        Cartolina, massa de modelar, figuras, cola, texto.

 VIII – AVALIAÇÃO

          o        A avaliação será feita através da apresentação oral das fábulas criadas pelos alunos;

o        Exposição dos cartazes e animais modelados;

o        Quanto à produção de texto, a elaboração do texto dramático revela uma infinidade de aspectos gramaticais e estruturais que se pode analisar.

 IX – REFERÊNCIAS

     ASH, Russel; HIGTON, Bernard; Fábulas de Esopo.  Companhia de Letrinhas – Infanto juvenil.

     LOBATO, Monteiro. Fábulas. São Paulo: Brasiliense, 1994 

          

                                                                 Dinâmica: Mãos que falam

          Objetivo: Refletir e avaliar os sentimentos em relação ao grupo.

          Grupo em círculo, de pé.

          O facilitador pede que todos estendam o braço direito, à sua frente, com a palma da mão voltada para baixo. As mãos dos companheiros vão se tocando.

          Relaxar os braços, mantendo as mãos dadas. Sentir as mãos dos companheiros.

          O facilitador põe a música suave, solicitando ao grupo que comece a balançar o corpo, sem soltar as mãos, ir diminuindo o movimento até parar. Fechar os olhos e buscar dentro de si um sentimento que possa ser dedicado ao grupo.

          Abrir os olhos. Fechar o círculo até as pessoas se tocarem. Soltar as mãos e transformar o círculo num abraço – abraço do grupo.

          O facilitador pede aos participantes, que se afastem. A seguir distribui uma folha de papel de oficio para cada participante, colocando o material de uso coletivo.

          Pedir que cada participante faça um contorno de uma das mãos no papel, escrevendo dentro dela a característica do grupo que desejo conservar e, fora dela, a que deseja eliminar. Tempo.

 FÁBULAS

           A diferença entre os textos narrativos de distintos gê­neros está na maneira como os elementos são trabalha­dos. Na fábula, o espaço é sempre simplificado, não há variações de ambiente; as personagens, quase sempre animais personificados; o foco narrativo é em 3ª pessoa.

           O tempo é cronológico, e o enredo apresenta um único conflito. E mais: a fábula pode conter humor, mas sempre é narrada para divulgar um conceito moral. Por isso, deve ser curta e conter poucos ele­mentos para ser mais fácil de memorizar.

            Fábula é um gênero textual que transmite um ensinamento e cujas personagens, em geral, são ani­mais personificados. A linguagem pode ser formal ou informal.

“Aquele que admira a arte, é aquele que mais tem sentimento.”

                                                                                                             (Mago Inir)

 O cavalo e o burro

            "Cavalo e o burro seguiam juntos para a cidade. O cavalo, contente da vida, folgando com uma carga de quatro arrobas apenas, e o burro – coitado! – gemendo sob o peso de oito. Em certo ponto, o burro parou e disse:

           – Não posso mais! Esta carga excede às minhas forças e o remédio é repartirmos o peso irmanamente, seis arrobas para cada um.

           O cavalo deu um pinote e relinchou uma gargalhada.

           - Ingênuo! Quer então que eu arque com seis arrobas quando posso bem continuar com as quatro? Tenho cara de tolo?

           O burro gemeu:

            - Egoísta! Lembre-se de que se eu morrer você terá que seguir com a carga das quatro arrobas mais a minha.

           O cavalo pilheriou de novo e a coisa ficou por isso. Logo adiante, porém, o burro tropica, vem ao chão e rebenta.

           Chegam os tropeiros, maldizem da sorte e sem demora arrumam as oito arrobas do burro sobre as quatro do cavalo egoísta. E como o cavalo refuga, dão-lhe de chicote em cima, sem dó nem piedade.

           - Bem feito! – exclamou um papagaio.

          Quem o mandou ser mais burro que o pobre burro e não compreender que o verdadeiro egoísmo era aliviá-lo da carga em excesso? Tome! Gema dobrado agora…”

         Agora responda:

  •     Na fábula acima, em que as personagens são animais, por que o cavalo e o burro se desentenderam?
  •     Que comportamento humano a atitude do cavalo representa?
  •     Em sua opinião, que ensinamento transmite a leitura dessa fábula? Redija a moral dessa história.

4 thoughts on “Plano de Aula – Fábulas

  1. alessandro lopes disse:

    muito 10 gostei muito me ajudou muito para fazer meu plano de aula estão de parabens :)

  2. Ed disse:

    Muito bom! Gostei. Vou colocá-lo em prática. Depois conto como foi… Obrigada.

  3. Edileide disse:

    Planos bem elaborados! Show!

  4. maria disse:

    estes planos de aulas são maravilhosos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: